Orações subordinadas

As orações subordinadas são orações que dependem sintaticamente de outras orações. Elas são formadas por uma oração principal e outra subordinada.

0

As orações subordinadas são orações que dependem sintaticamente de outras orações. Elas são formadas por uma oração principal e outra (uma ou mais) subordinada.

As orações subordinadas, ainda, variam quanto as funções que desempenham. Elas podem dividas em: substantivas, adjetivas e adverbiais.

Considerando estes aspectos, destacamos os conceitos e exemplos das orações subordinadas.

Orações subordinadas substantivas

As orações subordinadas substantivas têm as funções sintáticas próprias do substantivo e são inseridas pelas conjunções integrantes “que” e “se”.

Veja exemplos de como as orações subordinadas substantivas funcionam:

Como sujeito do verbo da oração principal. Exemplo:

  • É necessário que ela retorne. [Oração subordinada substantiva; “que ela retorne” é o sujeito]

Como objeto direto do verbo da oração principal. Exemplo:

  • Espero que ela retorne. [Oração subordinada substantiva; “que ela retorne” é o objeto direto]

Como objeto indireto do verbo da oração principal. Exemplo:

  • Preciso de que ela retorne. [Oração subordinada substantiva; “de que ela retorne” é o objeto indireto]

Como complemento nominal de um elemento da oração principal. Exemplo:

  • Tenho necessidade de que ela retorne. [Oração subordinada substantiva; “de que ela retorne” é o complemento nominal]

Como predicativo da oração principal. Exemplo:

  • Minha expectativa é que ela retorne. [Oração subordinada substantiva; “é que ela retorne” é o predicativo]

Como aposto de um elemento da oração principal. Exemplo:

  • Espero somente isso: que ela retorne. [Oração subordinada substantiva; “que ela retorne” é o aposto]
Atenção! Ao mudar a estrutura sintática da oração principal, muda-se a função oração subordinada substantiva.

Classificação das orações subordinadas substantivas

As orações subordinadas substantivas podem ser classificadas como: subjetiva, objetiva direta, objetiva indireta, completiva nominal, predicativa e apositiva.

Oração subordinada substantiva subjetiva

A oração subordinada substantiva subjetiva funciona como sujeito de verbos usados na terceira pessoa (será necessário, parece, é bom, etc.) e de verbos que se apresentam na voz passiva sintética (sabe-se, etc.) ou analítica (será provado, foi decidido, etc.).

Exemplo: É segredo que Amélia ama João.

(É segredo = oração principal)

(que Amélia ama João = oração subordinada substantiva subjetiva)

Oração subordinada substantiva objetiva direta

A oração subordinada substantiva objetiva direta exerce a função de objeto direto do verbo transitivo direto da oração principal.

Exemplo: O escritor explicou que algumas obras da exposição discordavam do governo.

(O escritor explicou = oração principal)

(que algumas obras da exposição discordavam do governo = oração subordinada substantiva objetiva direta)

Oração subordinada substantiva objetiva indireta

A oração subordinada substantiva objetiva indireta exerce a função de objeto indireto do verbo transitivo indireto ou transitivo direto e indireto da oração principal.

Exemplo: A professora convenceu os alunos de que a escola precisava melhorar.

(A professora convenceu os alunos = oração principal)

(de que a escola precisava melhorar = oração subordinada substantiva objetiva indireta)

Oração subordinada substantiva completiva nominal

A oração subordinada substantiva completiva nominal funciona como complemento nominal de um advérbio, adjetivo ou substantivo da oração principal.

Exemplo: O cientista político estava esperançoso de que as pesquisas sobre a corrupção fossem bem aceitas.

(O cientista político estava esperançoso = oração principal)

(de que as pesquisas sobre a corrupção fossem bem aceitas = oração subordinada substantiva completiva nominal)

Oração subordinada substantiva predicativa

A oração subordinada substantiva predicativa exerce a função de predicativo do sujeito da oração principal com verbos de ligação.

Exemplo: Minha vontade é que elas me deixem escrever.

(Minha vontade= oração principal)

(é que elas me deixem escrever = oração subordinada substantiva predicativa)

Oração subordinada substantiva apositiva

A oração subordinada substantiva apositiva exerce a função de aposto da oração principal.

Exemplo: Almejamos somente isso: que a distribuição de rendas seja mais imparcial no Brasil.

(Almejamos somente isso = oração principal)

(que a distribuição de rendas seja mais imparcial no Brasil = oração subordinada substantiva apositiva)

Orações subordinadas adjetivas

As orações subordinadas adjetivas têm o valor e a função próprios do adjetivo.

Estas orações são introduzidas por pronomes relativos: que, o qual (e variações), quem, onde, cujo (e variações).

Além disso, elas podem ser classificadas em restritivas e explicativas.

Classificação das orações subordinadas adjetivas

As orações subordinadas adjetivas podem ser classificadas como:

Oração subordinada adjetiva restritiva

A oração subordinada adjetiva restritiva restringe o sentido do termo a que se refere.

Exemplo: As mulheres que são honestas merecem nossa atenção.

(As mulheres = oração principal)

(que são honestas = oração subordinada adjetiva restritiva)

(merecem nossa atenção = oração principal)

Oração subordinada adjetiva explicativa

A oração subordinada adjetiva explicativa toma o termo a que se refere no sentido amplo, destacando sua característica principal ou esclarecendo melhor sua significação, similarmente ao aposto.

Esta oração aparece na escrita separada por vírgulas.

Exemplo: As mulheres, que são seres sensíveis e empáticos, merecem nossa atenção.

(As mulheres= oração principal)

(que são seres sensíveis e empáticos = oração subordinada adjetiva explicativa)

(merecem nossa atenção = oração principal)

Orações subordinadas adverbiais

As orações subordinadas adverbiais exercem a função de adjuntos adverbiais da oração principal.

Exemplo: Quando cheguei ao escritório, as janelas estavam abertas.

Classificação das orações subordinadas adverbiais

As orações subordinadas adverbiais podem ser classificadas como temporais, causais, condicionais, proporcionais, finais, consecutivas, concessivas e comparativas.

Oração subordinada adverbial temporal

A oração subordinada adverbial temporal exprime ideia de tempo em que ocorre o acontecimento expresso na oração principal.

Inicia-se por: assim que, enquanto, sempre que, quando, logo que, até que, etc.

Exemplo: Quando minha mãe sai, eu faço festa.

(Quando minha mãe sai = oração subordinada adverbial temporal)

(eu faço festa = oração principal)

Oração subordinada adverbial causal

A oração subordinada adverbial causal expressa ideia de causa do fato apresentado na oração principal.

Inicia-se por: como, já que, visto que, uma vez que, porque, etc.

Exemplo: Como estava doente, não foi ao trabalho.

(Como estava doente = oração subordinada adverbial causal)

(não foi ao trabalho = oração principal)

Oração subordinada adverbial condicional

A oração subordinada adverbial condicional expressa ideia de condição para a realização do fato apresentado na oração principal.

Inicia-se por: se, caso, contanto que, desde que, etc.

Exemplo: Se eu me casar com Henrique, reprimirei meu sentimento por Antônio eternamente.

(Se eu me casar com Henrique = oração subordinada adverbial condicional)

(reprimirei meu sentimento por Antônio eternamente = oração principal)

Oração subordinada adverbial proporcional

A oração subordinada adverbial proporcional exprime ideia de proporção entre as orações.

Inicia-se por: à proporção que, à medida que, etc.

Exemplo: À medida que conhecia Luís, me apaixonava.

(À medida que conhecia Luís = oração subordinada adverbial proporcional)

(me apaixonava = oração principal)

Oração subordinada adverbial final

A oração subordinada adverbial final expressa ideia de finalidade do fato apresentado na oração principal.

Inicia-se por: para que, a fim de que, etc.

Exemplo: Todos estudam para que tenham um bom futuro.

(Todos estudam = oração principal)

(para que = oração subordinada adverbial final)

(tenham um bom futuro = oração principal)

Oração subordinada adverbial consecutiva

A oração subordinada adverbial consecutiva exprime ideia de consequência do fato expresso na oração principal.

Inicia-se por: que (antecedido de tamanho, tanto, tão, tal).

Exemplo: Chorou tanto na saída que Charles se surpreendeu.

(Chorou tanto na saída = oração principal)

(que Charles se surpreendeu = oração subordinada adverbial consecutiva)

Oração subordinada adverbial conformativa

A oração subordinada adverbial conformativa expressa ideia de conformidade com o pensamento apresentado na oração principal.

Inicia-se por: segundo, como, conforme, etc.

Exemplo: Segundo os literatos, Machado de Assis é um fenômeno da literatura.

(Segundo os literatos = oração subordinada adverbial conformativa)

(Machado de Assis é um fenômeno da literatura = oração principal)

Oração subordinada adverbial concessiva

A oração subordinada adverbial concessiva exprime ideia contrária ao fato apresentado na oração principal.

Inicia-se por: embora, ainda que, apesar de, se bem que, posto que, etc.

Exemplo: Apesar de amar Joana, Henri se casou com Maria.

(Apesar de amar Joana = oração subordinada adverbial concessiva)

(Henri se casou com Maria = oração principal)

Oração subordinada adverbial comparativa

A oração subordinada adverbial comparativa estabelece relações de comparação entre a oração principal e a oração subordinada.

Inicia-se por: como, menos … do que, tanto … quanto, mais … do que, etc.

Exemplo: José de Alencar é tão bom quanto Álvares de Azevedo.

(José de Alencar é tão bom = oração principal)

(quanto Álvares de Azevedo = oração subordinada adverbial comparativa).

Leia mais:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.