Dadaísmo

Considerada a vanguarda europeia mais polêmica e irreverente, o dadaísmo foi um movimento que questionava a arte vigente da época. Surgido no ápice da Primeira Guerra Mundial, apresentou caráter ilógico, nonsense e de protesto.

dadaísmo, conhecido também como movimento dadá, pertencente às vanguardas europeias do século XX. O movimento carregava como lema a destruição como criação, questionando a arte por meio da ironia.

Além disso, também foi um movimento propulsor das ideias surrealistas, por meio de seu caráter ilógico, nonsense, antirracionalista e de protesto. Podemos dizer que os principais representantes do dadaísmo foram Hugo Ball, Hans Arp, Tristan Tzara e Marcel Duchamp.

Contexto histórico

O dadaísmo, surgido em meados de 1916, teve seu início em um mundo devastado pela Primeira Guerra Mundial. O horror e a violência da guerra destruíram o senso lógico e a suposta ordenação da civilização, culminando nos artistas um desprezo pelos valores culturais vigentes.

Para eles, o bom senso estético, a alta cultura e o ideal de beleza desses valores permitiam passivos o horror, o massacre e a violência da guerra. Como ruptura desse modelo, a arte deveria negar os valores vigentes, levantar a bandeira do absurdo e escandalizar o público visto que, a ruína da guerra não parecia chocar o suficiente para por fim ao combate.

Os artistas dadaístas franceses e alemães exilaram-se na Suíça, devido à discordância do posicionamento de seus países frente à Primeira Guerra. Surge, então, dentro de um cabaré em Zurique, o movimento dadaísta.

O Cabaret Voltaire foi fundado por um grupo de artistas refugiados com tendências anarquistas como um lugar para manifestações políticas e artísticas. O intuito principal era chocar a burguesia da época e criticar a arte tradicionalista, a guerra e o sistema. Inspirados no futurismo, os artistas dadaístas lançaram seu primeiro manifesto, escrito por Hugo Ball, cujo primeiro parágrafo dizia:

Dadá é uma nova tendência da arte. Percebe-se que o é porque, sendo até agora desconhecido, amanhã toda a Zurique vai falar dele. Dadá vem do dicionário. É bestialmente simples. Em francês quer dizer ‘cavalo de pau’. Em alemão: ‘Não me chateies, faz favor, adeus, até à próxima!’. Em romeno: ‘Certamente, claro, tem toda a razão, assim é. Sim, senhor, realmente. Já tratamos disso’. E assim por diante. Uma palavra internacional. Apenas uma palavra e uma palavra como movimento.

Características do dadaísmo

Assim como todas as vanguardas europeias, o dadaísmo tinha como principal característica um caráter contestador da arte. Desde a escolha do nome do movimento até seu manifesto e suas obras publicadas, o movimento é por si só considerado anárquico e provocador.

Tendo a crítica ao capitalismo como pilar, o movimento defendeu uma arte espontânea, baseada no nonsense, ou seja, na completa falta de sentido. O dadaísmo é associado a duas técnicas artísticas:

Colagem

Técnica em que pedaços de diferentes tipos de materiais, como papel e tecido, são colados um ao lado do outro ou sobrepostos, criando uma imagem resultante das combinações.

Ready-made

Deslocamento de um objeto de seu contexto para outro, visando provocar estranhamento. Um exemplo é a obra de arte Fonte, de Marcel Duchamp, em que um mictório é deslocado de seu contexto original para ser exposto em uma galeria de arte.

Além disso, o movimento dadá também tem como características a espontaneidade, improvisação e irreverência artística. Como o sentimento de nacionalismo era usado na guerra para alimentar nas nações a crença de superioridade em relação a outra, o dadaísmo negava qualquer tipo de nacionalismo e patriotismo.

Ao romper com os modelos tradicionais e clássicos, a nova vanguarda apresentou um caráter anarquista e niilista, com busca ao caos e à desordem.

Principais obras do dadaísmo

  • A Fonte (1917) – Marcel Duchamp.
  • A Roda de Bicicleta (1913) – Marcel Duchamp.
  • Monalisa com bigode (1919) – Marcel Duchamp.
  • Corte com a faca de cozinha (1919) – Hannah Hoch.
  • Cabeça Mecânica (1920) – Raoul Hausmann.
  • O rouxinol chinês (1920) – Max Ersnt.
  • O presente (1921) – Man Ray.
  • Lágrimas de Vidro (1932) – Man Ray.
  • Cabeça com bigode (1932) – Hans Arp.
  • Prelúdio para um braço quebrado (1915) – Marcel Duchamp.
  • O vidro grande (1915-1923) – Marcel Duchamp.
  • Ubu Imperador (1923) – Max Ernst.

Principais artistas

Hugo Ball (1886–1927)

Poeta, filósofo, romancista, ator, jornalista e crítico social, Hugo Ball é considerado um dos principais representantes do movimento dadaísta.

Fugindo da Primeira Guerra Mundial, o escritor alemão se exilou na Suíça, onde trabalhou como pianista e, posteriormente, criou o Cabaret Voltaire. Ball foi autor do primeiro manifesto dadaísta.

Hugo Ball
Hugo Ball e Emmy Hennings, sua esposa e cofundadora do Cabaré Voltaire.

Hans Arp (1886–1966)

Escultor, pintor e poeta alemão, também conhecido como Jean Arp, estudou na Escola de Artes e Ofícios de Estrasburgo, na Academia de Artes Weimar e na Académie Julian, em Paris.

Conhecido por seu trabalho com materiais não convencionais e técnicas de colagem, rejeitou fortemente a tradição acadêmica.

Hans Arp
Human Concretion, Hans Arp (1933)

Tristan Tzara (1896–1963)

O poeta romeno Tristan Tzara foi um dos principais fundadores do dadaísmo. Influenciado por escritores simbolistas, escreveu inúmeras poesias dadaístas.

Com o fim do movimento, Tzara aderiu ao surrealismo e posteriormente filiou-se ao partido comunista francês, onde assumiu um teor mais político em suas obras.Tristan Tzara

Max Ernst (1891–1976)

Max Ernst foi um pintor, escultor e artista gráfico alemão. No início de sua carreira, teve uma breve passagem pelo cubismo, mas logo aderiu ao dadaísmo.

Ernst se dedicou a copiar as técnicas de pintura e desenho dos antigos mestres, dentre eles August Macke, pioneiro do expressionismo alemão.

Max Ernst
Mulher antigo Homem e Flor, Max Ernst (1923)

Marcel Duchamp (1887–1968)

Influenciado pelo Fauvismo e por Henri Matisse, o pintor e escultor Marcel Duchamp é o autor de uma das mais famosas obras dadaístas: A Fonte, assinada com o pseudônimo de R. Mutt.

Adepto do cubismo, criou seus primeiros ready-mades, como a obra Roda de bicicleta em 1913.

Duchamp
Roda de bicicleta, Duchamp (1913).

Dadaísmo no Brasil

O dadaísmo no Brasil influenciou alguns artistas plásticos, porém a influência maior do movimento foi na literatura. Na busca de algo arrojado e polêmico, os artistas e escritores dos primeiros anos do modernismo no Brasil tiveram grandes influências do movimento dadaísta.

Flávio Carvalho foi um dos grandes artistas a representar o movimento artístico no país, destacando-se por sua convivência direta com os dadaístas na Europa.

Ismael Nery é outro exemplo, o artista modernista adicionou às suas pinturas características dessa tendência artística, período auge de sua carreira.

flavio de carvalho
Mulheres, Flávio de Carvalho (1968).

Na literatura brasileira, o grande propulsor do movimento dadaísta foi o escritor Mário de Andrade. Percussor do movimento modernista no país, aproveitou a tendência para praticar em seus poemas as características nonsense do dadaísmo.

Na obra Paulicéia Desvairada, o autor exibe um poema chamado Ode ao Burguês, com inúmeras características dadaístas. Confira o trecho abaixo:

Eu insulto o burgês! O burguês-níquel,
o burguês-burguês!
A digestão bem feita de São Paulo!
O homem-curva! o homem-nádegas!
O homem que sendo francês, brasileiro, italiano,
é sempre um cauteloso pouco-a-pouco! (…)

Dadaísmo na literatura

O movimento dadaísta se difundiu nas artes plásticas e também na literatura. Os poetas dadaístas defendiam a disposição aleatória das palavras, a falta de lógica e irracionalidade, próprias do dadaísmo. Dessa forma, os poemas eram marcados pela banalização das rimas e da construção poética.

Os principais nomes da literatura dadaísta são Hugo Ball, autor dos chamados poemas sonoros ou poemas fonéticos (sem palavras), e Tristan Tzara, cuja poesia traz sílabas sem sentido, elipses e imagens obscuras.

Raoul Hausmann destaca-se com o chamado poema-pôster ou poema-cartaz, como sua obra OFFEAH, poema optofonético, que se resume a um cartaz onde está impresso: “OFFEAHBDCBDQ,,qjyE!”. Antes das vírgulas, há o desenho de certa mão com indicador apontado para baixo.

No Brasil, não houve propriamente uma literatura dadaísta. No entanto, o modernismo e o concretismo sofreram fortes influências dessa vanguarda europeia. A poesia concretista apresenta alta semelhança com a poesia sonora ou fonética dadaísta.

Leia também:

você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More