Modernismo

A Semana de Arte Moderna de 1922 foi o marco do modernismo brasileiro. Anita Malfatti, Di Cavalcanti e Tarsila do Amaral são alguns dos nomes do movimento.

0

O modernismo foi um movimento artístico desenvolvido no final da segunda década do século XX, cujo principal intuito era expor propostas inovadoras para as distintas manifestações artísticas.

O modernismo do Brasil e de Portugal foram influenciados por movimentos do pré-modernismo.

No cenário brasileiro, o modernismo está intimamente ligado a Semana de Arte Moderna de 1922, um momento importante para a virada da cultura nacional.

Em resumo, o modernismo brasileiro é elencado em três momentos distintos: a primeira fase modernista, chamada também de fase heroica, a segunda fase modernista e a terceira fase modernista.

Saiba um pouco mais sobre o que foi o modernismo.

Pré-modernismo

O pré-modernismo foi um período de transição entre o simbolismo e o modernismo, configurando-se como as produções existentes no início do século até a data da Semana de Arte Moderna.

Alguns pesquisadores salientam que o momento não deve ser nomeado como uma escola literária, já que as suas produções artísticas e literárias são bem diversificadas.

No entanto, há algumas características do pré-modernismo que podem ser destacadas:

  • Ruptura com o academicismo, o passado e a linguagem parnasiana;
  • Emprego de uma linguagem simples, usual e coloquial;
  • Retrato da sociedade real brasileira;
  • Apresentação de temas históricos, políticos, econômicos e sociais;
  • Destaque ao regionalismo e nacionalismo, bem como a apresentação de personagens marginais (sertanejo, caipira, mulato).

Entre os artistas brasileiros pré-modernistas de destaque estão Euclides da Cunha, Graça Aranha, Lima Barreto e Monteiro Lobato.

Primeira fase do modernismo

A primeira fase do modernismo, também conhecida como fase heroica, se deu entre 1922 a 1930.

Considerada a mais radical na ruptura dos paradigmas tradicionais, nela salientava-se a valorização do cotidiano brasileiro, bem como o emprego da linguagem coloquial, incorporando as gírias, os erros e a ironia, o humor e o sarcasmo.

Alguns dos artistas da primeira fase do modernismo brasileiro foram: Alcântara Machado, Manuel Bandeira, Mário de Andrade e Oswald de Andrade.

Segunda fase do modernismo

A segunda fase do modernismo, ou geração de 30, foi uma etapa de consagração do modernismo brasileiro.

Com continuidade das ações da primeira fase, o movimento obteve mais força e foram criadas novas obras literárias (poesia e prosa) de denúncia e análise social.

Alguns dos artistas da segunda fase do modernismo brasileiro foram: Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Érico Veríssimo, Graciliano Ramos, Jorge AmadoRachel de Queiroz e Vinicius de Moraes.

Terceira fase do modernismo

A terceira fase do modernismo, ou simplesmente geração de 45, é vista por alguns já como o pós-modernismo.

Em direção à experimentação, os seus autores verificaram demais possibilidades temáticas, como é o caso da exploração da psicologia humana.

Alguns dos artistas da terceira fase do modernismo brasileiro foram: Ariano Suassuna, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, João Cabral de Melo Neto, e Mário Quintana.

Características do modernismo

Um das principais características do modernismo, tanto no Brasil quanto na Europa, é a busca pela liberdade.

O modernismo europeu caracterizou-se como um acoplado de manifestações artísticas que ultrapassavam a liberdade criadora e a ruptura com o passado. O modernismo brasileiro, da mesma forma, buscava liberdade, novidade e identidade local.

Ambos acarretaram na quebra de paradigmas e valores ditos como tradicionais. Podemos listar algumas das principais questões do movimento no Brasil:

  • Ruptura com o tradicionalismo;
  • Desejo de implantar mudanças artísticas e explorar o novo;
  • Emprego de uma linguagem simples e usual;
  • Relato do cotidiano;
  • Valorização da identidade;
  • Revisão crítica do passado histórico e cultural;
  • Uso de ironia, humor e paródia;
  • Ênfase no nacionalismo.

Modernismo em Portugal

O modernismo em Portugal teve início em 1915, a partir da publicação da Revista Orpheu, e durou até o fim do Estado Novo, na década de 1970.

Revista Orpheu
Revista Orpheu (1915).

Alguns dos artistas do modernismo português foram: Almada Negreiros, Fernando Pessoa, Irene Lisboa e Mário de Sá-Carneiro.

Aliado ao modernismo no Brasil, o movimento português foi resultado das concepções estéticas que surgiam na Europa do século XX. Irreverente, anárquico e contestador, o modernismo em Portugal abdicou da linguagem dos poetas românticos e simbolistas.

Veja os movimentos artísticos se destacaram as quatro fases modernismo português: o orfismo, o presencialismo, o neorrealismo e o surrealismo.

Orfismo

O orfismo, período compreendido entre 1915 e 1927, é considerado a primeira fase do modernismo português.

A sua nomenclatura se deve a publicação da revista Orpheuque difundia os ideais modernistas e tendências culturais europeias do século.

O principal intuito dos artistas orfistas era surpreender a burguesia com uma poesia com liberdade de métrica, além de incorporar a língua portuguesa no cenário cultural português.

Presencialismo ou presencismo

A segunda fase do modernismo português também foi influenciada por uma revista literária intitulada Presença, publicada em 1927.

O seu texto foi uma continuidade do trabalho da revista Orpheu e objetivou dar continuidade a propagação de ideias modernistas, ainda que seus representantes tenham difundido uma literatura intimista, orientada para a introspecção e o experimentalismo.

O grupo finalizou as atividades em 1940, ao passo que o mundo presenciava as tensões da Segunda Guerra Mundial.

Neorrealismo

A terceira fase do modernismo em Portugal, o neorrealismo, aconteceu entre 1940 a 1974. Ele se desenvolveu logo após o presencialismo, em um contexto histórico-social agitado em função das tensões da Segunda Guerra Mundial.

A corrente elaborou críticas ao individualismo e ao esteticismo, disseminando na literatura o pensamento marxista e a negação ao socialismo utópico.

Mais uma vezes as revistas assumem o papel de difusão desses ideais, sendo esse o momento das revistas Seara Nova, Sol Nascente e o Diabo.

Surrealismo

Para muitos pesquisadores, o surrealismo é tido como a quarta e última fase do modernismo português, isso entre 1947 e 1974.

Entre os seus principais atributos estão a escrita automática, sublinhando a livre associação de ideias e palavras, além da alteração de estruturas da realidade.

Modernismo no Brasil

A Semana de Arte Moderna de 1922, realizada em São Paulo, foi o pontapé inicial para o movimento modernista no Brasil.

Esse evento é considerado um grande marco na cultura brasileira. Ele contou com a organização de artistas e intelectuais em comemoração aos 100 anos da Independência do Brasil.

A Semana de 22 é a representação da urbanidade paulista, em meio ao crescimento ocorrido nos anos 1920, com a industrialização e a migração de estrangeiros.

O seu principal intuito era romper com as tradições culturais já existentes no país, como o parnasianismo e o simbolismo, e criar uma forma de se produzir cultura extremamente nacional.

Portanto, a defesa de um posicionamento estético e a declaração de uma independência cultural alicerçam o modernismo e o estabelecimento de um estilo novo.

No período compreendido entre 1922 a 1930, em diferentes áreas, os artistas desenvolveram as suas expressões múltiplas, isso em paralelo com o contato existente com as vanguardas europeias.

Ainda que a literatura seja forte no movimento, são as artes plásticas que são destaque na Semana. Pinturas de Anita Malfatti e Di Cavalcanti e as composições de Heitor Villa Lobos são alguns exemplos importantes.

Principais artistas e obras do modernismo

Muitos foram os artistas pertencentes ao movimento modernista no Brasil e no mundo. Entre eles, destacam-se:.

Artes Visuais

  • Anita Malfatti
  • Di Cavalcanti
  • Inácio da Costa Ferreira
  • John Graz
  • Oswaldo Goeldi
  • Vicente do Rego Monteiro
  • Victor Brecheret
  • Wilhelm Haarberg

Literatura

  • Carlos Drummond de Andrade
  • Cecília Meireles
  • Clarice Lispector
  • Érico Veríssimo
  • Graciliano Ramos
  • Guimarães Rosa
  • João Cabral de Melo Neto
  • Jorge Amado
  • Manuel Bandeira
  • Mário de Andrade
  • Oswald de Andrade
  • Rachel de Queiroz
  • Vinícius de Moraes

Música

  • Frutuoso Viana
  • Guiomar Novais
  • Heitor Villa-Lobos

Obras do modernismo brasileiro

A Estudante Russa
A Estudante Russa (1915), de Anita Malfatti.
A boba
A boba (1915), de Anita Malfatti.
Estrada de Ferro Central do Brasil
Estrada de Ferro Central do Brasil (1924), de Tarsila do Amaral.
abaporu
Abaporu (1928), de Tarsila do Amaral.
Operários
Operários (1933), de Tarsila do Amaral.
Boêmios
Boêmios (1921), de Di Cavalcanti.
Samba
Samba (1925), de Di Cavalcanti.
O lavrador de café
O lavrador de café (1934), de Candido Portinari.

Pós-modernismo

O pós-Modernismo, também chamado de pós-modernidade ou movimento pós-industrial, é considerado um movimento de mudanças científicas, culturais e tecnológicas, além da disseminação dos meios de comunicação de massa e a propagação das tecnologias.

O movimento surgiu no período do modernismo pós-guerra e apresentou alterações nas artes, na filosofia, na sociologia e na ciência como um todo.

As principais características do pós-modernismo são:

  • Ausência de regras e valores;
  • Imprecisão, individualismo e pluralidade;
  • Liberdade de expressão;
  • Produção em série (reprodutibilidade);
  • Linguagem espontânea;
  • Dificuldade de distinção entre o real e o hiper-real (imaginário);
  • Oposição ao modernismo, ao racionalismo, à ciência e aos valores da burguesia.

A arte pós-moderna propiciou a criação de diversos movimentos estéticos, veja três das suas principais vanguardas:

  1. Pop Art
  2. Minimalismo
  3. Expressionismo Abstrato
The Shot Marilyns
The Shot Marilyns (1964), de Andy Warhol, importante figura do movimento pop art.

Veja também: 

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.