Escolástica

Escolástica é um método de aprendizagem e uma filosofia desenvolvido último período da filosofia medieval. O seu maior representante é São Tomas de Aquino.

0

Escolástica designa a produção filosófica desenvolvida no período da Idade Média (séculos IX e XIII d.C.), estando intimamente ligada a predominância da religião católica perante a Europa.

Desse modo, objetivando propagar os seus valores religiosos, o Império Carolíngio, em conjunto com a Igreja Católica, fundou escolas e universidades.

Com o intuito de formar sacerdotes e pensadores com valores vinculados a religião, o período foi assim nomeado.

O que é Escolástica?

Com origem no termo latino scholasticus, cujo significado é aquele que pertence a escola, a escolástica permaneceu até o final da Idade Média.

São Tomás de Aquino foi o filósofo com maior destaque, mas outros também tiveram relevância, como Erígena, Occam e Scoto.

De modo geral, o método escolástico se articulava na leitura de obras predefinidas, analisando o pensamento do autor e fazendo uma reflexão a partir dele. Além disso, explorava-se documentos e outras obras atreladas.

Mediante a analogia entre texto e documentos relativos a obra, incluindo os registros da igreja e estudos anteriores, criava-se as sententiae. As sententiae eram sentenças compostas pelas discordâncias de fontes sobre aquele tema mencionado.

Fases do pensamento escolástico

O pensamento escolástico está fragmentado em diferentes fases. Veja quais são:

  • 1 ª fase (Séculos VIII e IX) – Identidade e harmonia entre as dicotomias razão e fé.
  • 2 ª fase (Séculos XI e XII) – Nascimento do contraste entre razão e fé.
  • 3 ª fase (Século XIII) – Articulação dos grandes sistemas filosóficos, os quais se encontra São Tomás de Aquino, cujo intuito é explicar a fé por meio da razão.
  • 4ª fase (Século XIV) – Decomposição da Escolástica, dando origem a questões que envolvem a insolubilidade entre razão e fé.

Entretanto, ela deixou de ter relevância na filosofia europeia, por cerca do século XVII, mediante a origem da filosofia moderna. Essa conduziu diferentes cientistas, tais como Galileu Galilei e René Descartes.

Filosofia Escolástica

Classificada como uma corrente filosófica, o método crítico da Escolástica interviu em diferentes campos do conhecimento das Universidades Medievais. Esse modelo acoplava várias disciplinas, agrupadas em dois tipos – trivium e quadrivium.

Na trivium, constavam a dialética, a gramática e a retórica; já na quadrivium, a aritmética, a astronomia, a geometria e a música.

Características da filosofia escolástica

  • Inspirou-se nas ideias dos filósofos gregos Platão e Aristóteles.
  • Fundamentou-se na Bíblia Sagrada.
  • Ocorreu no período da Idade Média (V-XV), quando a Igreja geria vários aspectos econômicos, políticos e sociais.
  • Teve como principal filósofo São Tomás de Aquino.

Patrística e Escolástica

A Patrística é considerada o primeiro período da filosofia medieval, estando presente até o século VIII. Ao longo desse tempo, a filosofia voltou o seu olhar para os ensinamentos dos bispos, padres e teólogos, que objetivavam entender a conexão entre fé divina e racionalismo científico.

Ademais, dedicou-se ao livre-arbítrio, vocação divina, elevação da alma diante do corpo e ao pecado.

Portanto, Santo Agostinho (354-430) é o seu maior representante. O escritor, filósofo, teólogo e bispo se dedicou a abordagem de temas do ceticismo, ecletismo, maniqueísmo, neoplatonismo, assim como a filosofia de Platão.

Creio para compreender e compreendo para ser melhor.

(Santo Agostinho)

Depois dela, no século IX, nasceu a Escolástica. A Escolástica foi o último período da filosofia medieval, findado com o começo do Renascimento, no século XVI.

Nela, São Tomás de Aquino (1225-1274) é visto como o maior símbolo. Nomeado de “Príncipe da Escolástica”, teve os seus estudos intitulados como Tomismo. Na Igreja Católica, ele foi consagrado Doutor, em 1567.

Ambos os períodos da filosofia medieval, o primeiro e o último, se espelharam na filosofia grega, assim como na religião cristã.

Patrística e Escolástica buscavam criar um elo entre a fé e a razão, visando o crescimento do ser humano. Entre as suas distinções, São Tomás de Aquino espelhava-se no realismo de Aristóteles, já Santo Agostinho no idealismo de Platão.

Em síntese, a Patrística atentava-se na proliferação dos dogmas cristãos, e a Escolástica, por meio do racionalismo, buscava discutir sobre a relação as dicotomias de céu e inferno, razão e fé, Deus e o seu elo com o ser humano.

Talvez você possa gostar de:

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.