Theodor Adorno

Adorno foi um importante intelectual do século XX.

0

Theodor Adorno foi um sociólogo, filósofo, crítico musical e musicólogo alemão. Um dos maiores críticos do sistema capitalista, suas críticas recaem em aspectos culturais.

Nome importante da Escola de Frankfurt, Adorno se uniu a outros pensadores marxistas para realizar releituras dos escritos de Marx.

Adorno e Max Horkheimer compuseram a primeira geração de intelectuais da Escola de Frankfurt. Além disso, Adorno é um dos principais pensadores da teoria crítica, modo de refletir a sociedade criado por Horkheimer.

Juntos, os dois intelectuais influenciaram as pesquisas realizadas no Instituto para Pesquisa Social, da Universidade de Frankfurt, que, antes, eram imbuídas de características mais econômicas e sociais. Após a entrada de Adorno e Horkheimer, o instituto passou a se basear por uma orientação de caráter filosófico.

Inicialmente, seus estudos envolviam a teoria da arte e a música. Após ser influenciado por Walter Benjamin, Adorno passa a concentrar seus estudos na crítica do sistema capitalista.

Biografia de Theodor Adorno

Theodor Ludwig Wiesengrund-Adorno nasceu no dia 11 de setembro de 1903, na cidade de Frankfurt, Alemanha. Oriundo de uma família culta, seu pai era comerciante de vinhos e sua mãe, cantora lírica. Ela foi a grande responsável por despertar o gosto de Adorno pelas artes.

Entre os anos de 1918 e 1919, teve Siegfried Kracauer como seu professor. Além disso, frequentou o Kaiser-Wilhelm-Gymnasium. Foi aluno do compositor Bernhard Sekles. Nesta época, Adorno publicou vários artigos referentes à estética e crítica musical.

Em 1920, ingressou na Universidade de Frankfurt. Nela, estuda Musicologia, Filosofia, Sociologia e Psicologia, graduando-se em 1924. Ainda nesse ano, ele e alguns colegas fundaram a Escola de Frankfurt, associada ao Instituto para Pesquisas Sociais da Universidade de Frankfurt.

Em 1925, o filósofo foi para a Áustria estudar composição musical com Alban Berg, compositor austríaco. Em 1933, publicou sua tese e fogiu do regime nazista, em razão de sua origem judaica e simpatia com o socialismo.

Exilou-se na Inglaterra e passou a dar aula de Filosofia em Oxford. Em 1938, instalou-se nos Estados Unidos, local em que estuda a mídia do país norte-americano. Adorno sentia um sentimento de fascínio e repulsa à cultura de consumo tão difundida pelos EUA.

Foi convidado por Horkheimer a dar aulas na Universidade de Princeton e, em seguida, passa a auxiliar o Projeto de Pesquisas sobre Discriminação Social da Universidade da Califórnia.

Em 1953, Adorno retornou à Alemanha e, em 1955, tornou-se Diretor do Instituto para Pesquisa Social. O pensador faleceu um 1969, por problemas cardíacos.

Principais ideias de Theodor Adorno

Adorno criticava a Razão Instrumental e o Positivismo Lógico, pois não aceitam a dualidade entre o objeto e o sujeito.

Ele concordava com a presença da irracionalidade no pensamento, fato comprovado pelas obras de arte que refletem a realidade por meio de uma linguagem artística.

A arte atinge tudo aquilo que a linguagem conceitual não consegue.

Adorno e a indústria cultural

Adorno é bastante conhecido por criticar a indústria cultural. Em sua obra escrita com Max Horkheimer, eles criticam a forma como a indústria manipula a consciência das pessoas através dos meios de comunicação.

Nesse sentido, os programas de TV, filmes, novelas, músicas e, atualmente, a internet, são instrumentos pensados com o objetivo de influenciar as pessoas em seus modos de pensar, agir e ver o mundo.

Assim, a indústria cultural tem o papel de alienar as massas, garantindo a manutenção da estrutura social, enquanto impede que o indivíduo reflita e problematize a realidade em questão.

Saiba mais em:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.