A Lenda do Negrinho do Pastoreio

Simões Lopes Neto registrou a lenda gaúcha que tornou-se popular durante a campanha abolicionista durante o século XIX.

0

A história do Negrinho do Pastoreio é uma lenda afro brasileira, com influências europeias. Popular principalmente no sul, a história se passa na época da escravatura, quando maus tratos aos escravos era comum.

A lenda conta que um estancieiro malvado ordenou a escravo de quatorze anos que cuidasse dos seus cavalos novos. O garoto, entretanto, deixou escapar um cavalo baio. O estancieiro, furioso, o surrou com chicote e ordenou que fosse atrás do cavalo.

Artigos relacionados
1 De 4

O Negrinho do Pastoreio encontrou o cavalo pastando e tentou laçá-lo, mas falhou. Como punição, o fazendeiro resolveu amarrá-lo nu sobre um formigueiro e deixá-lo para passar a noite fria ali.

No dia seguinte, o estancieiro foi verificar o estado do menino, mas assustou-se ao encontrá-lo sem cicatrizes ou marcas, ao lado da Virgem Maria, e mais adiante o cavalo baio. O fazendeiro pediu perdão, mas o Negrinho partiu com o cavalo.

A partir de então, é costume na região sul, quando se perde algo, pedir ao Negrinho do Pastoreio e acender uma vela para encontrar o objeto – como uma espécie de São Longuinho no resto do país. Algumas versões contam que a vela deve ser acendida num mourão, outra em um formigueiro, outras ainda em um altar para Nossa Senhora.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.