Verbos transitivos

Os verbos transitivos são aqueles que não trazem em si a ideia completa da ação, assim, eles precisam de outros elementos para completar seu sentido.

0

Vamos estudar sobre a transitividade verbal? Os diversos verbos da língua portuguesa podem ser classificados, de acordo com a gramática normativa, como verbos transitivos e intransitivos.

Os verbos intransitivos não precisam de qualquer complemento, eles já carregam o sentido da ação e da oração em si. É um tipo de verbo que pode aparecer sozinho em uma frase.

Por exemplo, você pode muito bem enviar uma mensagem para alguém que está a sua espera dizendo apenas “Cheguei”, ela vai entender. Ou, caso esteja acalentando um bebê, você pode sussurrar apenas “Dormiu”, para que outra pessoa entenda do que se trata, pois a informação está completa, você se fez entender.

Outros exemplos:

  • O sol despontou.
  • As flores caem.
  • Os amigos choram.
  • As baratas morrem.

Já os verbos transitivos são aqueles que não trazem em si a ideia completa da ação, assim, eles precisam de outros elementos para completar sua significação. Esses elementos são adequadamente chamados de complemento do objeto direto (COD) e complemento do objeto indireto (COI).

O objeto direto liga-se aos verbos transitivos sem preposição, e o objeto indireto, ao contrário, fixa-se aos verbos transitivos por meio de uma preposição.

Por exemplo, os verbos “dizer” e “recitar” necessitam de complementos que expliquem “dizer o quê?”, “dizer a quem?” ou “recitar o quê?” e “recitar a quem?”.

Considerando estes aspectos, os verbos transitivos são classificados em:

  • Verbo transitivo direto
  • Verbo transitivo indireto
  • Verbo transitivo direto e indireto

Continue lendo para saber mais sobre o assunto e ver exemplos de verbos transitivos.

Verbo transitivo direto

Os verbos transitivos diretos são verbos que precisam de complemento e ligam-se a eles sem precisar de preposição. Seus complementos são os objetos diretos.

Vamos analisar o exemplo abaixo:

  • Os banqueiros tiveram lucro.

“Ter” é verbo transitivo direto. Podemos questionar “ter o quê?” para encontrar um complemento e dar sentido a oração. Quando esse complemento, no caso, “lucro”, não vem acompanhado de preposição, o verbo é denominado como transitivo direto.

Outros exemplos:

Meu cachorro comeu o sanduíche.

Nós ouvimos músicas alegres.

PUBLICIDADE

Natália comprou um belo carro.

 Verbo transitivo indireto

Os verbos transitivos indiretos não se ligam diretamente ao complemento, pois exigem preposição.

Vamos analisar o exemplo abaixo:

  • Maria acredita em Jesus.

Questionamento: “Maria acredita em quê?”, pois sabemos que quem acredita, acredita em algo, no caso, “em Jesus”.

Como em todo verbo transitivo, é imprescindível completar a oração para que ela faça sentido. “Em Jesus” completa a informação que está ausente com auxílio da preposição “em”, ou seja, é um complemento de objeto indireto.

Outros exemplos:

  • Nós precisamos de dinheiro.
  • Você deve obedecer a sua mãe.
  • Cientistas duvidam do tema.

Verbo transitivo direto e indireto

Os verbos transitivos diretos e indiretos apresentam dois complementos: objeto direto e objeto indireto.

Como vimos, o objeto direto não é precedido de preposição, já o objeto indireto, sim.

Vamos analisar o exemplo:

  • Os jovens receberam elogios de seus tutores.

Nessa frase, temos dois complementos. “Elogios” é complemento direto e responde a questão “receber o quê?”. Já “de seus tutores” é complemento indireto e responde a “receber de quem?”. Logo, “receber” é um verbo que pode trazer dois complementos, visto que temos duas indagações.

Outros exemplos:

  • Maria emprestou seu livro a João.
  • O programa de TV informou os telespectadores do perigo de enchentes.
  • Minha amiga ensina inglês aos estudantes.

Leia mais: 

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.