Marchinhas de Carnaval

Ó Abre Alas, de Chiquinha Gonzaga, foi a primeira marchinha de carnaval. Depois dela, "Mamãe eu quero", "A jardineira" e "Cidade maravilhosa" foram criadas.

0

Ô Abre Alas, criada em 1899, foi a pioneira das marchinhas de carnaval. Composta por uma mulher, Chiquinha Gonzaga, a canção é reproduzida até hoje, animando os foliões.

Você sabe o que são marchinhas? A marchinha de carnaval é um gênero musical cuja cadência é similar as marchas militares, por isso essa denominação.

Ao longo do século XX, as marchinhas animaram os folguedos de rua e o salão do carnaval dos brasileiros. Antes delas, as músicas europeias eram trilha sonora da festa.

Depois da composição de Chiquinha Gonzaga, outros compositores inspirados criaram novas músicas, como é o caso de Ary Barroso, Donga, João de Barro (Braguinha), Lamartine Babo, Mauro de Almeida e Noel Rosa.

Com a popularização do rádio, as marchinhas chegavam ao lar dos foliões e eles ficavam afiados nas letras para cantar durante a festividade. Todos aguardavam ansiosamente, já em dezembro, o lançamento da canção que seria sucesso na festa.

Marchinhas de carnaval antigas

As marchinhas de carnaval antigas proporcionavam muita alegria para o público. Além disso, por meio de suas letras, era possível refletir sobre várias questões sociais.

Ó Abre Alas

A primeira marchinha de carnaval do Brasil, Ó Abre Alas, registrada em 1889, era de autoria de uma mulher, a Chiquinha Gonzaga.

A obra foi criada para a escola Rosas de Ouro, do Rio de Janeiro, passando a ser a mais famosa da compositora e uma das marchinhas de carnaval mais populares .

Rosas de ouro - Ó Abre Alas

No século XIX, Chiquinha Gonzaga foi em busca de seus objetivos e sonhos. No período, realizou coisas intoleráveis para a sociedade vigente. Divorciou-se duas vezes, foi mãe solteira, teve um relacionamento com um rapaz 36 anos mais jovem, engajou-se na luta pela abolição da escravatura e pelo fim da Monarquia.

A Lei 12.624/2012 institui o dia 17 de outubro, data de nascimento de Chiquinha Gonzaga, como o Dia Nacional da Música Popular Brasileira.

Mamãe eu quero

A canção foi composta por Jararaca e Vicente Paiva, em 1937. Porém, o sucesso só veio quatro anos depois, ao ser gravada por Carmem Miranda.

Carmen Miranda canta mamãe eu quero

Aurora

Aurora é uma composição de Mario Lago. Criada no ano de 1941, em uma quarta-feira de cinzas, a marchinha de carnaval tornou-se sucesso e ficou popular um ano depois de lançada.

Marchinha de carnaval aurora

Me dá um dinheiro aí

Até os dias atuais, a marchinha Me dá um dinheiro aí é popular nos carnavais. Uma composição do trio Ivan, Homero e Glauco Ferreira e gravação de Moacyr Franco, o hit foi criado na década de 1960.

Em 1959, passava na TV Rio o programa Rio, Te Adoro, escrito por Aloysio Silva Araújo, Manoel de Nóbrega, Carlos Alberto de Nóbrega e Glauco Ferreira. Nesse período, Moacyr Franco era um artista pouco conhecido, participando com algumas piadas e números musicais.

Certo dia, Moacyr recebeu o texto de uma piada em que ele deveria ser um mendigo pedindo esmola na rua. Na cena, Moacyr surgia dizendo “Ei, você aí! Me dá um dinheiro aí!”, o que levou a plateia a risos.

Depois disso, o trio de compositores (Glauco Ferreira, Homero e Ivan) lhe apresentou a música inspirada nas frases que usava no programa e o convidou para gravar um disco. A marchinha de carnaval passou a ser exibida no programa e consagrou-se como o maior sucesso do Carnaval de 1960.

Marcinha de carnaval me dá um dinheiro aí

Cabeleira do Zezé

A canção é uma criação de João Roberto Kelly, concebida na década de 1960 em uma mesa de bar.

O compositor se inspirou em suas idas a um bar no Leme, quando ia encontrar os seus amigos e era sempre atendido por uma garçom “cabeludo”.

Marchinha cabeleira do Zezé
Cabeleira do Zezé (Uma ilustração de Mirna Brasil Portella para o livro Carnavalança)

Marchinhas de carnaval infantil

As marchinhas de carnaval infantil, exploradas em sala de aula, são instrumentos para o educador abordar diferentes temas.

Além de ser um elemento importante da cultura brasileira, sendo o Brasil considerado o país do carnaval, os temas musicais estão entre os primeiros itens a serem trabalhados.

Dependendo da faixa etária, é possível refletir sobre a história dessas obras. Porém, se os alunos forem menores, é permitido estimular a criatividade e trabalhar a coordenação motora deles.

Outro ponto positivo é que o Carnaval permite estimular a alegria com o excesso de cores, glitter, fantasias, máscaras e acessórios. Além de, nesse período, as atividades serem desenvolvidas em ritmo de festa!

Ademais, temas inerentes à sociedade podem ser abordados por meio de rodas de conversa. Entre eles, estão a história da época áurea e do Carnaval.

Como muitas das marchinhas de carnaval foram criadas com letras de duplo sentido e, em alguns casos, podem conter assuntos impróprios para crianças, é recomendado revisar o teor das letras antes de trabalhá-las na sala de aula.

Marchinhas de carnaval – Letras

Desde a sua origem, as marchinhas de carnaval proporcionam alegria aos participantes da festa. Disseminadas até os dias atuais, elas fazem parte da cultura do povo brasileiro.

Veja alguns exemplos de letras de marchinhas de carnaval:

Ó Abre Alas (Chiquinha Gonzaga)

Ó abre alas
Que eu quero passar
Ó abre alas
Que eu quero passar

Eu sou da Lira
Não posso negar
Eu sou da Lira
Não posso negar

Ó abre alas
Que eu quero passar
Ó abre alas
Que eu quero passar

Rosa de Ouro
É que vai ganhar
Rosa de Ouro
É que vai ganhar

Mamãe Eu Quero (Jararaca / Vicente Paiva)

Mamãe, eu quero, mamãe, eu quero
Mamãe, eu quero mamar
Dá a chupeta, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar

Mamãe, eu quero, mamãe, eu quero
Mamãe, eu quero mamar
Dá a chupeta, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar

Dorme, filhinho do meu coração
Pega a mamadeira e entra no meu cordão
Eu tenho uma irmã que se chama Ana
De piscar o olho, já ficou sem a pestana

Mamãe, eu quero, mamãe, eu quero
Mamãe, eu quero mamar
Dá a chupeta, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar

Mamãe, eu quero, mamãe, eu quero
Mamãe, eu quero mamar
Dá a chupeta, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar

Olho as pequenas, mas daquele jeito
Tenho muita pena não ser criança de peito
Eu tenho uma irmã que é fenomenal
Ela é da bossa e o marido é um boçal

Mamãe, eu quero, mamãe, eu quero
Mamãe, eu quero mamar
Dá a chupeta, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar

Mamãe, eu quero, mamãe, eu quero
Mamãe, eu quero mamar
Dá a chupeta, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar

Allah-La Ô (Haroldo Lobo / Nássara)

Allah-lá-ô, ô ô ô ô ô ô
Mas que calor ô ô ô ô ô ô

Atravessamos o deserto do Saara
O sol estava quente
Queimou a nossa cara

Allah-lá-ô, ô ô ô ô ô ô
Mas que calor ô ô ô ô ô ô

Viemos do Egito
E muitas vezes
Nós tivemos que rezar
Allah! Allah! Allah, meu bom Allah!
Mande água pra ioiô
Mande água pra iaiá
Allah! Meu bom Allah!

Cidade Maravilhosa (André Filho)

Cidade maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade maravilhosa
Coração do meu Brasil

Cidade maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade maravilhosa
Coração do meu Brasil

Berço do samba e de lindas canções
Que vivem n’alma da gente
És o altar dos nossos corações
Que cantam alegremente

Cidade maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade maravilhosa
Coração do meu Brasil

Cidade maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade maravilhosa
Coração do meu Brasil

Jardim florido de amor e saudade
Terra que a todos seduz
Que Deus te cubra de felicidade
Ninho de sonho e de luz

Cidade maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade maravilhosa
Coração do meu Brasil

Cidade maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade maravilhosa
Coração do meu Brasil

A Jardineira (Benedito Lacerda / Humberto Porto)

Oh, jardineira, por que estás tão triste?
Mas o que foi que te aconteceu?
Foi a camélia que caiu do galho
Deu dois suspiros e depois morreu
Foi a camélia que caiu do galho
Deu dois suspiros e depois morreu

Oh, jardineira, por que estás tão triste?
Mas o que foi que te aconteceu?
Foi a camélia que caiu do galho
Deu dois suspiros e depois morreu
Foi a camélia que caiu do galho
Deu dois suspiros e depois morreu

Vem, jardineira! Vem, meu amor!
Não fiques triste que este mundo todo é seu
Tu és muito mais bonita
Que a camélia que morreu

Aurora (Mário Lago)

Se você fosse sincera
Oh, oh, oh, Aurora
Veja só que bom que era
Oh, oh, oh, Aurora

Um lindo apartamento
Com porteiro, elevador
Um ar refrigerado
Para os dias de calor
Madame antes do nome
Você teria agora
Oh, oh, oh, Aurora

Me Dá Um Dinheiro Aí (Ivan, Homero e Glauco Ferreira)

Hei, você aí, me dá um dinheiro aí
Me dá um dinheiro aí
Hei, você aí, me dá um dinheiro aí
Me dá um dinheiro aí

Não vai dar
Não vai dar não
Você vai ver a grande confusão

Que eu vou fazer
Bebendo até cair
Me dá, me dá. me dá, oi
Me dá um dinheiro aí

Leia também:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.