Saiba mais sobre as danças folclóricas brasileiras

A cultura vastíssima do Brasil tem, entre suas inúmeras representações, as danças folclóricas características de cada região.

0

O Brasil é um país de cultura tão rica e vasta quanto sua própria extensão territorial. As manifestações de todo esse conhecimento e experiência popular são inúmeras, incluindo arte, festas, música e dança.

Tanta variedade é resultado da miscigenação de nosso povo, oriundo de diversas partes do mundo. Indígenas, negros e conquistadores europeus se misturaram, criando os hábitos e costumes que conhecemos hoje.

Os componentes da cultura brasileira estão, em muito, baseadas no folclore, conjunto de tradições e costumes que são transmitidos de geração em geração. Pode-se dizer que mitos, lendas, danças e provérbios constituem o folclore de um país.

Notou que mencionamos a dança mais de uma vez? Isso tem um motivo! As danças folclóricas são parte de nossa cultura, expressando as características marcantes de cada região. Vamos conhecer um pouco mais sobre elas?

O que são danças folclóricas?

As danças folclóricas brasileiras são o conjunto de danças peculiares de cada região. Suas origens têm cunho religioso e, nisto, trazem elementos que remetem à magia, lendas, homenagens, brincadeiras e histórias.

Uma de suas principais características é o uso de trajes típicos para apresentação em espaços públicos e cenários representativos. Na maioria das vezes, os dançarinos as executam em praças, largos, ruas e locais destinados, especialmente, para demonstração.

As principais danças folclóricas brasileiras

Samba de Roda

Essa manifestação tem origens no Recôncavo Baiano do século XIX como preservação da cultura africana. Sua representação traz uma dança associada à capoeira e culto aos orixás e caboclos. Embora seja uma herança dos escravos, sofreu influência dos portugueses.

No samba de roda, os participantes dançam em uma roda, ao som de músicas, palmas e cantos. Também são muito usados instrumentos como viola, pandeiro, chocalho, berimbau e atabaque.

O samba de roda tem dois estilos, sendo eles Samba Corrido e Samba Chula. Outro nome pelo qual é conhecido é “umbigada”. Por que? Ao assistir a uma apresentação, note que cada vez que um participante sai da roda, outro entra e os dois dão uma “umbigada”.

Frevo

Quem não conhece a figura do dançarino vestido com roupas coloridas pulando e bailando com um guarda-chuva multicor? A dança típica do carnaval pernambucano surgiu no século XIX e é caracterizada pelo ritmo e coreografia individual.

O próprio nome, originado pelo verbo “ferver”, já dá os sinais do quanto esta dança é frenética. Os passistas, como os dançarinos são conhecidos, agitam os guarda-chuvas ao som da fanfarra composta por instrumentos de sopro.

Além da festa de cores e dos passistas, outra característica marcante do frevo é a ausência de de letras. Suas marchinhas, ao contrários das tradicionais do carnaval, é tocada pela banda que segue os blocos enquanto os dançarinos se divertem.

Catira

A catira, também conhecida como cateretê, caracterizada pela ação ritmada de passos, palmas e batidas de pé. Apesar de conter influências indígena, africana, espanhola e portuguesa, seus elementos principais têm relação estreita à cultura caipira.

Típica do interior dos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Goiás e Mato Grosso, seus dançarinos dançam ao som do canto e das violas. Normalmente, os participantes se dispõem em duas fileiras, com mulheres e homens separados entre elas.

Chula

A dança tem origem portuguesa e é típica do Rio Grande do Sul. Sua característica é a disputa e o desafio. Nela, é preciso depositar uma vara no chão e, em cada extremidade, fica um participante. Um executa a coreografia e o outro deve repetir.

Ciranda

Dança típica de Pernambuco, tem origem na época em que as mulheres de pescadores esperavam seus maridos dançando e entoando cantos. Os dançarinos se dispõem em rodas na qual os integrantes dançam acompanhados por diversos instrumentos.

O ritmo é mais lento em passos simples e marcos. Os “tocadores” usam tarol, zabumba, maracá e ganzá.

Baião

As origens dessa dança típica nordestina estão nas tradições indígenas e caipira. Inicialmente, veio sob o nome de uma festa de melodias e danças acompanhadas por violas. Seu patrono foi Luiz Gonzaga, compositor brasileiro de grande importância.

No baião, os bailarinos dançam em pares em movimentos similares ao forró. Mas, aqui, o intuito é tematizar situações cotidianas e as dificuldades enfrentadas pelo povo nordestino. Os instrumentos usados são viola, triângulo, flauta doce e acordeom.

Jongo

Mais uma forte herança de origem africana, o jongo também é conhecido como “caxambu”. A dança de origem rural é considerada como uma variante do samba por alguns e é acompanhada por instrumentos de percussão.

Carimbó

Esta tem origem indígena, especialmente, da nação tupinambá, com influências portuguesas e africanas. Nela, é utilizado o carimbó, nome dado à representação e ao tambor característico.

Os dançarinos de dispõem em pares posicionados em fileiras voltadas para o centro da roda. O ritmo é marcado por palmas e pés enquanto homens convidam mulheres para dançar. Os pares se formam e giram em torno de si.

Bumba meu Boi

A bumba meu boi ou boi-bumbá, é uma dança folclórica típica do Norte e Nordeste nascida no século XVII. Sua origem diversificada faz com que apresente traços africanos, portugueses, espanhóis e indígenas. Um dos mais fortes é a representação teatral.

Nela, a história de vida, morte e ressurreição é retratada enquanto os dançarinos executam suas performances. Vários personagens da fazem parte do ato, como um homem vestido de boi. Ah, e sabe como o boi é ressuscitado? Como um puxão em seu rabo!

Maculelê

Essa dança tem influências indígenas e africanas, simulando uma luta tribal na qual os praticantes usam dois bastões como arma. Os bastões são chamados de esgrima ou grima. Os dançarinos são acompanhados por canto e percussão.

Maracatu

O termo africano significa dança ou batuque, dando as principais características dessa dança típica nordestina, especialmente, de Pernambuco. Esta representação traz fortes traços religiosos, misturando elementos europeus, indígenas e afro-brasileiros.

O maracatu é a saída dos praticantes das religiões de matriz africana para saudar os orixás. Normalmente, ocorre durante o carnaval quando os dançarinos saem fantasiados de princesas, rainhas, reis e baianas, todos personagens históricos.

A dança é composta por pulos e giros ao som de instrumentos de percussão, ou seja, caixas, tambores, ganzás e taróis. O ritmo frenético lembra, bastante, a congada, uma festa popular brasileira.

Quadrilha

Quem nunca dançou uma quadrilha na vida? Especialmente praticada no mês de junho, essa dança foi popularizada a partir do século XIX, graças à influência da Corte Portuguesa. O Nordeste brasileiro é um de seus maiores representantes.

Na quadrilha, os participantes dançam em dupla caracterizados com vestimentas caipiras. Juntos, os dançarinos conduzem movimentos e encenações conduzidos por um animador que vai marcando os momentos da apresentação. “Olha a cobra! É mentiraaa!”

Músicas muito conhecidas embalam a quadrilha, como Pula Fogueira, Capelinha de Melão e Cai Cai Balão.

Xaxado

O nome vem do som produzido pelas sandálias dos cangaceiros nordestinos ao se arrastarem durante alguma comemoração. A dança era muito praticada por Lampião e seu bando, trazendo letras satíricas e tempo marcado.

Quando Maria Bonita entrou para o bando, fez com que a presença feminina no xaxado se solidificasse. Os instrumentos usados nesta dança são zabumba, pífano, sanfona e triângulo.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.